Raiva

O que é a raiva? Como ocorre a transmissão?
A raiva é um vírus sendo uma zoonose, ou seja, é transmitida do animal para o homem. Tem uma alta taxa de mortalidade, chegando a alcançar quase 100%.

O homem é um hospedeiro acidental na cadeia infecciosa, como o são, até certo ponto, os animais domésticos (cão e gato), sendo o grande reservátorio natural representado por animais silvestres.

Esse vírus é transmitido através de mordidas, arranhaduras de mamíferos já contaminados. Na maioria dos casos a transmissão ocorre através de cães e gatos, tanto porque são animais de companhia que possuem maior convívio com os humanos. Porém, além do cão e do gato, outros animais contaminados também podem transmitir, como os furões, raposas, coiotes, guaxinins, gambás e morcegos.

Animais não mamíferos como pássaros, lagartos e peixes não transmitem raiva. Nos humanos, o vírus da raiva possui tropismo pelo sistema nervoso central, instalando-se no cérebro, tendo como resultado final a encefalite que é uma inflamação no cérebro.

Quando uma pessoa contrai o vírus da raiva:
Como sintomas da instalação do vírus, podemos observar que a pessoa contaminada apresenta confusão; desorientação; agressividade; alucinações; dificuldade em deglutir; paralisia motora; espasmos; salivação excessiva pela dificuldade em deglutir. Esses sintomas são vistos, pois as funções cerebrais passam a ficar incoordenadas, com isso a pessoa deixa de responder adequadamente. Desde o diagnóstico, como já foi dito, em quase 100% dos casos o óbito ocorre. Só há relato de 3 casos, inclusive um no Brasil, de pacientes que sobreviveram. Isso se deu graças a um novo esquema de tratamento, desde 2005, que associa um antiviral, um ansiolítico e um anestésico. Mas, mesmo com a cura, ocorrem graves seqüelas.

Fases do vírus:
O vírus da raiva pode ser descrito com uma sequência vista em 4 fases:

1) Incubação: é o momento de propagação do vírus através dos nervos periféricos. A partir da mordida até o surgimento dos primeiros sintomas pode haver um intervalo de 3 meses;

2) Pródromos: trata-se de sintomas não específicos como dores de cabeça, febre baixa, mal-estar, dores de garganta e vômitos que ocorrem antes da encefalite. Nesse momento também pode haver coceira, dor e dormência no local da mordida ou arranhadura;

3) Encefalite: é a inflamação propriamente dita do sistema nervoso central;

4) Coma e óbito: ocorre após 2 semanas após o início dos sintomas, em média.

A raiva tem cura? Como tratar?
Na realidade o tratamento é basicamente profilático, ou seja, deve ser feito antes que uma mordida ou arranhadura ocorra e se faz com vacinação e quando em exposição ao vírus, tratamento com imunoglobulinas (que são anticorpos).

Após ocorrer a mordida ou arranhadura, deve-se lavar muito bem o local ferido com água e sabão e se dirigir a um hospital. Se o animal que mordeu ou arranhou for doméstico, é fundamental verificar a caderneta de vacinação deste. Nestes animais, o período de incubação do vírus é de 10 dias. Após esse período, se o animal se mantiver saudável, não há risco de contrair o vírus.

Caso seja um animal selvagem, como um morcego, é importante que se faça a captura deste para verificar se ele apresenta o vírus. Se não for possível capturar o animal para verificação, tanto selvagem quanto doméstico, o tratamento no humano deve ser feito partindo do princípio que o animal estivesse contaminado.

Deve-se levar em consideração que mordidas na cabeça e no pescoço são mais graves por estarem mais próximas do local de eleição para a instalação do vírus que é o cérebro.

É importante saber que receber lambidas de animais em pele intacta, sem feridas, assim como fazer carinho no animal, não transmite o vírus. Porém, não se deve oferecer uma pele machucada para o animal lamber, pois além do risco de infecções bacterianas, o vírus da raiva também pode ser transmitido por essas lambidas, uma vez que o vírus se encontra na saliva do animal.

Raiva Canina:
Nos cães, a doença em si inicia-se após o período de incubação de 3 a 6 semanas. Da mesma forma que nos humanos, os cães possuem fases da raiva, sendo que na fase de pródromo, o comportamento do cão muda, se tornando mais arredio, desobediente, alimentando-se em menor quantidade que o habitual, ingerindo matérias incomuns como madeira, palha.

Podemos observar duas formas clínicas de raiva nos cães: forma Furiosa e Raiva Muda.

Na forma Furiosa observamos um cão agitado, latindo repetidamente com tom rouco e fanho, agressivo. O óbito se dá depois de 4 a 7 dias, apresentando paralisias e convulsões. O animal baba, daí o dito popular do cão raivoso é aquele que baba e isso ocorre pela dificuldade que apresenta, assim como os humanos, em deglutir a saliva devido a paralisia dos músculos da faringe.

Na Raiva Muda, os sintomas mais comuns como a agressividade não são vistos, apenas os quadros de paralisia dos maxilares, nos dando menos indicativos do que possa estar acontecendo com o animal.

Como o vírus da raiva se espalha:
A patogenia da raiva ainda não é uma unanimidade, não estando totalmente esclarecida, mas sabe-se que sua via principal é a transcutânea, penetrando através da concentração de vírus presente nas glândulas salivares de um animal contaminado. Assim como nos humanos, o vírus tem tropismo pelo sistema nervoso central e para lá se direciona. Do sistema nervoso central, o vírus, utilizando a mesma via que foi para o cérebro, passa agora para os neurônios periféricos e assim atinge as glândulas salivares, órgãos internos, músculos, pele, mucosa nasal, etc.

Vacina contra a raiva:
A vacinação para evitar o vírus da raiva tanto para cães, quanto para gatos, deve ser feita quando o animal tiver 4 meses de vida. Após esta, deve-se fazer um reforço anual. É importante que se faça a partir do quarto mês de vida e não antes disso, pois antes, o animal ainda não tem seu próprio sistema imunológico desenvolvido completamente, assim a vacina não terá o efeito desejado, deixando, da mesma forma, o animal exposto, como se não tivesse sido vacinado.

Apesar de atualmente quase não haverem registros de casos de raiva no Brasil, é fundamental que ocorra a vacinação em humanos e em animais, pois foi através desta que a taxa de mortalidade por contaminação do vírus da raiva pode ser diminuída.

A saúde do seu animal e da comunidade onde reside depende de você, proprietário. Cabe aos donos estarem atentos ao calendário de vacinações, não apenas a da raiva, como também de todas as outras tão importantes quanto.

Fontes:
http://www.homeopatiaveterinaria.com.br/raiva.htm
http://abcd-vets.org/factsheet/pt/pdf/PT_R_A_raiva_nos_gatos.pdf
http://www.pasteur.saude.sp.gov.br
http://www.mdsaude.com/2009/08/raiva-humana.html
http://www.homeopatiaveterinaria.com.br/raiva.htm

Comentários

comentários